EU Profiler Logo
fechar a janela

Perguntas frequentes

Como funciona?
A Bússola Eleitoral consiste na resposta a um questionário acerca das grandes áreas da actualidade política. As suas posições serão depois comparadas com as dos partidos políticos em Portugal. Esta comparação dar-lhe-á o seu posicionamento na paisagem política e mostrar-lhe-á qual o partido que melhor representa e apoia as suas posições políticas. Esta ferramenta providencia ainda excertos de documentos partidários, como programas eleitorais, como suporte à posição de cada um dos partidos.

É independente?
A Bússola Eleitoral é um projecto académico, independente de quaisquer partidos ou candidatos. A Bússola Eleitoral foi financiada pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, FLAD- Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento, Fundação Calouste Gulbenkian, e teve o apoio da TESE e da Sic Notícias. Esta ferramenta foi desenvolvida de modo a garantir total imparcialidade. A informação foi recolhida e tratada por cientistas políticos do ICS e os partidos políticos não intervieram em qualquer ponto do desenvolvimento da ferramenta ou da informação fornecida.

Como interpretar os resultados?
Os resultados são apresentados de diversas formas, dando conta das suas posições político-ideológicas e as dos partidos políticos. A Bússola Eleitoral  começa por posicioná-lo num mapa bidimensional em dois eixos: Esquerda vs. Direita no domínio das políticas económicas e sociais e Tradicional-nacionalista vs. Libertário-cosmopolita no que respeita aos valores e à soberania nacional. O posicionamento à esquerda na escala socioeconómica significa, no fundamental, que é a favor de um Estado providência forte e interventivo, pago através dos impostos. O posicionamento à direita significa que é a favor de um Estado com um papel reduzido na sociedade, mercado livre e impostos baixos. O posicionamento mais próximo do pólo Tradicional-nacionalista significa genericamente que defende a preservação da soberania nacional em detrimento de um aumento de poder da União Europeia e que está mais próximo de valores conservadores no que respeita a questões éticas e morais. O posicionamento mais próximo do pólo Libertário-cosmopolita significa que é pouco apegado à preservação da soberania nacional em face do processo de integração europeia e que está mais próximo de valores progressistas em relação a questões éticas e morais.  Já a Lista de Concordância Partidária mostra-lhe, em percentagem, o grau de similitude entre os seus posicionamentos sobre temas concretos e aqueles adoptados por cada partido político. Para mais informação ver secção "Metodologia".

Posso alterar as minhas respostas?
Sim. Através da barra de navegação no topo da página poderá regressar às perguntas previamente respondidas. Poderá alterar as suas respostas e observar de que modo estas alterações influenciam o resultado global do seu posicionamento político-ideológico.

Quem é responsável por esta ferramenta?
A responsabilidade pela Bússola Eleitoral é do consórcio institucional que o desenvolveu.

O que sucederá às minhas respostas?
As respostas ao questionário da Bússola Eleitoral são totalmente anónimas. As suas respostas serão utilizadas exclusivamente para investigação científica e análise académica. Os seus dados pessoais não serão usados ou publicados.

Que partidos foram incluídos?
Uma ferramenta da natureza da Bússola Eleitoral deve, idealmente, incluir o máximo de partidos possível. Contudo, devido a razões de ordem prática e técnica, tal cenário nem sempre é possível. A equipa da Bússola Eleitoral tentou incluir o maior número de partidos possível. Primeiro, todos os partidos que presentemente têm deputados eleitos à Assembleia da República foram incluídos. Para além destes, foram apenas excluidos os partidos que, após contacto da equipa da Bússola Eleitoral, não responderam ao pedido de auto-posicionamento ou não forneceram a documentação necessária para a justificação desses posicionamentos. Deve, contudo, ser notado que a responsabilidade de selecção dos partidos a incluir neste projecto é da responsabilidade exclusiva da equipa da Bússola Eleitoral.

As posições de cada partido são as fornecidas pelos próprios?
Não necessariamente. Em anteriores ferramentas de natureza similar, os partidos tiveram uma influência determinante, através da menorização de determinadas questões ou na sobrevalorização de áreas que lhes são claramente benéficas sob o ponto de vista eleitoral, assim como da adopção de respostas às questões incongruentes com as suas posições publicamente declaradas em documentos programáticos. Assim, a Bússola Eleitoral adoptou um método distinto para formular e recolher os materiais deste questionário. Este método foi baseado numa consulta extensiva de especialistas, de académicos a jornalistas, sondagens, materiais de campanha e manifestos, que levou à selecção das questões colocadas. Depois, o posicionamento dos partidos incluídos na Bússola Eleitoral foi determinado na base de documentação de natureza programática. Contudo, foi dada ainda a todos os partidos a oportunidade de proceder a um "auto-posicionamento", através do envio dos questionários com as posições determinadas pela equipa da Bússola. Os partidos tiveram, pois, oportunidade de providenciar documentação adicional e demonstrar a sua posição relativamente a cada questão, caso ela fosse distinta daquela que tinha sido determinada através da análise documental. Contudo, os coordenadores académicos mantiveram intacta a prerrogativa de posicionamento de cada partido. À medida que os programas eleitorais para 2009 forem disponibilizados pelos partidos, a Bússola irá, sempre que possível, incorporando essa informação.

Por que está a minha posição mais próxima de um partido na Bússola, e de um outro partido na "Lista de Concordância Partidária"?
Se está mais próximo de um partido na Bússola isto significa que esse é o partido em relação ao qual, em média, está mais próximo nos eixos Esquerda/Direita e Libertário-cosmopolita/Tradicional-nacionalista. Contudo, isto é apenas uma média. Pode acontecer, por exemplo, que numas matérias concretas esteja mais à esquerda do que esse partido, e noutras mais à direita que esse partido. Em média, o seu posicionamento poderá terminar na mesma posição, mas essa média pode ocultar muitas posições divergentes em matérias específicas. Para além disso, embora possa verificar que tenderá a concordar com o partido de que está mais próximo na maior parte das questões, é recomendável que analise a sua concordância em várias questões através da exclusão de temas que considera pouco ou nada importantes para o estabelecimento da posição global. Finalmente, como a sua posição é projectada num gráfico bi-dimensional é possível que concorde com um partido num dos eixos, tendo forte discordância desse partido no outro eixo. Terá sempre que considerar que o partido mais próximo da sua posição global não tem uma opinião congruente em todos os tópicos.

Qual o significado da elipse no gráfico bidimensional?
A elipse representa os desvios-padrão do posicionamento médio do utilizador em cada uma das duas dimensões.

A questão que lhe pede para indicar o grau de simpatia que sente por cada um dos líderes partidários tem qualquer influência no resultado final?
Não. Esta questão é incluída para fins meramente académicos.

A questão "Quão provável será votar nos seguintes partidos?" tem qualquer influência no resultado final?
Não. Esta questão é incluída para fins meramente académicos.

Que consequências têm as respostas "sem opinião" para os cálculos do posicionamento do utilizador?
Quando os utilizadores seleccionam a resposta “sem opinião” para qualquer pergunta, essa resposta é depois excluída do cálculo tanto do posicionamento ideológico do utilizador no gráfico bidimensional, como do cálculo da concordância entre o posicionamento ideológico do utilizador e de cada partido.