O socialismo português varre as eleições municipais

O socialismo português varre as eleições municipais

O socialismo português varre as eleições municipais

O Partido Socialista de Portugal alcançou os melhores resultados da sua história nas eleições municipais, com mais de 38% dos votos, dois pontos a mais do que em 2013. O aumento está ligado ao declínio do seu parceiro governamental, o PCP, e o da oposição do Partido Social Democrata (PSD) de Pedro Passos Coelho.

Com 99% dos votos contados, o PS obteve 38% dos votos; Em segundo lugar, como é tradicional, foi para o PSD, com 16%; o PC em terceiro lugar, com 9,5%, 1,6 ponto a menos de quatro anos e dez municípios a menos, que passaram para as mãos dos socialistas, seu parceiro na maioria parlamentar; Bloco (3,3%) e CDS (2,5%) ainda estão muito distantes. Em coalizão em alguns municípios, o PSD-CDS obteve outros 9,5% dos votos.

“O Partido Socialista de Portugal quer vencer nos 308 municípios do país.” O desejo extraterrestre era de António Costa, o primeiro ministro do país, dias antes de ir votar. Começou na campanha em uma forte posição municipal, com 150 prefeitos dos 308 do país; mas ele obteve um punhado a mais. Seus dois anos no governo não só não minaram seu eleitorado, mas serviram para aumentar seu poder municipal. “Foi o melhor resultado na história do PS”, disse Costa, exultante, à meia-noite.

No meio do declínio do socialismo europeu – com o último exemplo da Alemanha – Costa conseguiu, primeiro, reunir as forças da esquerda em torno dele, domesticar o anti-sistema (PC quer deixar a UE e o Euro Bloco), e durante os dois anos de governo, a oposição de centro-direita foi abalada, o que alcançou o triunfo nas eleições legislativas de 2015 (PSD + CDS, 36,9% contra 32,3% do PS), mas não uma maioria parlamentar.

As eleições municipais confirmam que o Partido Socialista não apenas lidera a esquerda, mas também espalha espaço para a direita e para a esquerda; Costa assumiu o espaço do centro. Nestes dois anos, o centrista PSD, do ex-primeiro ministro Passos Coelho, foi sangrado em oposição. Com a maior crise do legislativo, a tragédia semi-natural do incêndio de Pedrogrão Grande, em vez de construir uma casa, foi dedicada a criticar o governo, e mesmo assim não obteve nenhuma receita. Enquanto o lado mais à esquerda do PSD vai para o PS, o seu lado direitista foge para o Centro Social Democrático (CSD) da Assunção Cristas, que deu ao seu partido o melhor resultado da história de Lisboa, que vai continuar governado pelo socialista Fernando Medina. “Foi um dos piores resultados da história do PSD”, afirmou o deputado Pedro Passos Coelho na noite da votação.

Apesar de ser uma eleição municipal, a crítica recai sobre Passos Coelho, pois ele pessoalmente nomeou os candidatos para as prefeituras de Lisboa e do Porto. Na capital Português do desastre tem sido desanimador, sendo superado seu candidato Teresa Leal Coelho pelo líder do CDS, Cristas, e mesmo candidato PC. “Não vou parar de ponderar os resultados, farei minha reflexão pessoal sobre se sou candidato às eleições legislativas de 2019”, acrescentou Passos Coelho. No Porto, o PSD caiu de 21% para 10%. A festa perdeu dez prefeitos.

Em relação à esquerda do PS, os socialistas realizaram uma campanha de luva branca sem críticas ou o PC ou o Bloco para não quebrar o acordo parlamentar para governar. Nesse sentido, a perda de votos e dez prefeitos comunistas (de 34 para 24) não é uma boa notícia para Costa, já que o declínio do PC poderia ser interpretado como uma punição por seu apoio ao PS e, portanto, uma segunda parte do legislatura com mais oposição dos seus próprios parceiros.

A primeira reação do secretário-geral do PC, Jerónimo de Sousa, embora em um idioma jesuíta, permite que ele vislumbre: “As populações não demoraram em entender o quão errada era essa opção”, disse ele. Supõe-se que dê apoio parlamentar a um governo socialista, algo que o PC não fez em 40 anos de democracia.

No caso do Bloco, as suas aspirações lógicas para crescer a partir do atraso de 2,4% dos votos em 2013 também não foram totalmente atingidas, subindo seis décimos. Nesta luta entre a esquerda para a esquerda do PS, o PC continua a levar o bloco muito vantagem na potência municipal.

Horas antes das eleições, o presidente do país, Marcelo Rebelo de Sousa, divulgou uma mensagem eloquente ao país que apelou à votação. “Como cidadão, confio em seu espírito de cidadania; como presidente da confiança República, em seu amor à terra, seja nativo ou adotivo, o que quer dizer, eu confio em seu amor por Portugal “, disse ele.

Nem o carismático presidente nem o atraso das partidas de futebol até o encerramento das escolas melhoraram muito a histórica abstenção nestas eleições. A abstenção de 47% de 2013 não se repetiu, mas permaneceu em 45%. A culpa não deve ser futebol.

admin